Discurso - Flávio Bolsonaro

Texto do Discurso

O SR. FLÁVIO BOLSONARO – Sr. Presidente, uma das várias coisas que marcaram a campanha presidencial foi o uso indiscriminado, pelo PT, de calúnias e mentiras.

Eles, que não me enganam e nunca me enganaram, são mestres em criar um cenário de terror para, logo em seguida, chegarem com as soluções milagrosas. Foi assim com as manifestações do ano passado, pois, logo que se começou a estudar melhor o movimento, percebeu-se a mão – ou todos os membros – do PT envolvida, principalmente nas manifestações violentas e criminosas. Logo depois, veio a Presidente Dilma propor duas coisas que são fundamentais para o PT: o financiamento público de campanha – obviamente seria o maior beneficiado, porque tem a maior bancada de deputados federais; e o voto facultativo. Muitos entendem o voto facultativo como algo positivo, e pode até ser daqui a algum tempo, mas não agora; com o voto facultativo agora, muitas pessoas que não concordam, com toda a razão, com o quadro político do nosso País não votarão. Contudo, certamente todas as pessoas empregadas na máquina pública, grande parte dos sindicatos, movimentos sociais, MST e toda essa cambada certamente votará.

O PT faz mais de 300 Deputados Federais numa eleição. Mas, felizmente, parece que o Congresso acordou e resolveu dar um lampejo de resistência começando a brecar algumas folgas do Governo Federal.

Sr. Presidente, conhecendo bem esse “teatro” que o PT costuma armar. Hoje lendo o Jornal Metro, apesar de o assunto ser sério, ele conseguiu me fazer dar uma gargalhada, porque é de um cinismo sem tamanho dessas pessoas, principalmente da cúpula do partido.

E diz aqui a manchete: “PT exige guinada à esquerda no governo”. Até parece que o PT precisa pressionar a Presidente Dilma para que ela realize alguma coisa. Até parece que não está nada combinado. E o subtítulo da matéria: “Pressão sobre Dilma. Petistas querem que bandeiras partidárias, como regulação da mídia e revogação da anistia sejam abraçadas pelo Governo no 4º mandato da legenda na presidência”. Sr. Presidente, o PT não mede esforços para atropelar quem quer que seja pelo seu projeto de poder.

Na mesma página, ao lado, na coluna do jornalista Cláudio Humberto, há uma afirmação do Ministro Gilmar Mendes: “É importante que o STF não se converta em corte bolivariana”, ao comentar que até 2016 o PT terá indicado 10 dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal. E falo que para mim isso não é novidade porque obviamente o PT coordena o chamado Foro de São Paulo aqui na América do Sul, especialmente do Brasil.

Ao examinarmos o jornal O Globo da mesma data de hoje, em sua capa vemos a seguinte manchete: “Venezuela e MST assinam convênio”. Mais uma vez o Brasil, presidido por essa corja, pega dinheiro dos nossos impostos para financiar seus amigos aqui do Foro de São Paulo. E o que significa esse contrato entre Venezuela e MST? Para começar, o que é o MST? Alguém conhece o CNPJ do MST? Alguém sabe do que se trata? Então, eles dão um nomezinho bonitinho dizendo que vão fazer um intercâmbio para qualificação de mão de obra, mas o próprio representante do governo da Venezuela, que veio aqui assinar o convênio, o Ministro para Comunas e Movimentos Sociais da Venezuela, o Sr. Elias Jaua Milano disse o seguinte ao ser entrevistado: “Vamos firmar esse convênio para incrementar a capacidade de intercâmbio de experiências, de formação, para fortalecer o que é fundamental em uma revolução socialista”. Isso logo após o presidente da Venezuela, Nicolau Maduro, também, em discurso oficial, ter dito que a eleição de Dilma aqui no Brasil é fundamental para a revolução socialista no Brasil. Sr. Presidente, a Venezuela também compõe o Foro de São Paulo.

Vamos agora para outra situação, que é a ajuda que o PT tem dado a Cuba. Se antigamente quem financiava Cuba era a União Soviética com cursos de guerrilha, com grana e armas para que eles implantassem aqui na década de 60 um regime ditatorial do proletariado, hoje quem financia Cuba é o Brasil. Mais uma vez, somos nós, os otários brasileiros, que dão dinheiro para a ditadura de Fidel Castro.

Sr. Presidente, esse Programa Mais Médicos nada mais é do que esse financiamento da ditadura. Um trabalho escravo que essas pessoas são obrigadas a fazer em nosso País. Não tem outra explicação: o Governo paga 10 mil reais por cada médico, por cada “curandeiro” que está aqui trabalhando, porque essas pessoas não são médicas. Ficam apenas com dois mil reais. Os outros oito mil reais vão lá para o “grande democrata” das Américas, Fidel Castro. Por que os médicos portugueses, que são contratados também por convênio, ficam com os 10 mil reais? Por que é que os médicos portugueses podem trazer os seus familiares aqui para o Brasil; podem trazer as suas esposas, seus maridos e filhos, e os cubanos não podem? Porque eles ficam lá em Cuba, Sr. Presidente, sendo ameaçados.

Se alguém aqui resolver andar fora da linha,quem sofrerá as consequências são os familiares dessas pessoas lá em Cuba. Quem tem filho sabe o que eu estou falando. Alguém consegue ficar um dia, dois dias, uma semana, um mês, quem dirá dois anos, longe dos seus filhos? Só se forem obrigados como estão sendo esses cubanos. Em Cuba, muitos talvez não saibam, mas em Cuba tem um parlamento? Em Cuba há 612 parlamentares que se reúnem duas vezes por ano para aprovar ou para homologar todos os projetos da ditadura cubana. Sabe qual é placar, Sr. Presidente, das votações? É 612 a zero. Democracia bonita, é tão bom morar em Cuba que as pessoas tentam sair de lá remando em cima de um tronco.

Sr. Presidente, eu quero, só para concluir, dizer que não vai passar batido mais esse absurdo do Governo do PT, mais esse carnaval que o Governo do PT quer fazer com o nosso dinheiro. Financiar agora a formação de guerrilha para membros do MST com o nosso dinheiro, mais uma vez dinheiro do Brasil indo agora para a Venezuela. Que convênio é esse? Sr. Presidente, vou representar ao Ministério Público Federal para ter acesso a detalhes desse convênio porque obviamente ele tem outros fins. Mais uma vez o que está em risco é a nossa democracia e a nossa liberdade.

O SR. PRESIDENTE (José Luiz Nanci) – Parabéns, ilustre Deputado.