b1.jpg (970 bytes) tit-legis.jpg (2109 bytes) b2.jpg (1226 bytes) bytematec.jpg (2929 bytes)
emendas-l.jpg (4706 bytes)
2-barrinha-por-voltar.gif (1093 bytes)
 

Informações Básicas

Código 970500887
Autor EDMILSON VALENTIM

Matéria Projeto de Resolução
Protocolo
Mensagem
Regime de
Tramitação
Ordinária

Link:

Datas:
Entrada 08/07/1997 Despacho 08/07/1997
Publicação 08/08/1997 Republicação


Comissões a serem distribuidas


01.:Comissão de Normas Internas e Proposições Externas


Ementa

CONCEDE A MEDALHA TIRADENTES POST MORTEM AO SR ADEMIR MARQUES DE MENEZES.



Texto da Proposição

    PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 887/97

                            CONCEDE A MEDALHA TIRADENTES POST MORTEM AO SR ADEMIR MARQUES DE MENEZES.

    AUTOR: DEPUTADO EDMILSON VALENTIM


    A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
RESOLVE:


    Art. 1º - Fica concedido a Medalha Tiradentes Post Mortem ao Sr. ADEMIR MARQUES DE MENEZES.

    Art. 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

    Sala das Sessões, 07 de agosto de 1997.


    DEPUTADO EDMILSON VALENTIM


    JUSTIFICATIVA

    Ademir Marques de Menezes, filho de Antônio Rodrigues Menezes e Othilia Marques Menezes, nasceu em Recife em 1921 faleceu em 1995.
    Foi um craque do Vasco da Gama e da Seleção Brasileira nas décadas de 40 e 50, recebendo durante sua vida diversos títulos:

    1937/38 - Bicampeão Juvenil - Sport Clube Recife
    1939/40/41 - Tri-Campeão - Sport Clube Recife
    1943/44 - Bicampeão brasileiro pela Seleção do Rio de Janeiro
    1944 - Campeão do Torneio Relâmpago - C. R. Vasco da Gama
    1944 - Campeão do Torneio Municipal - C. R. Vasco da Gama
    1945 - Campeão Carioca Invicto - C. R. Vasco da Gama
    1946 - Super Campeão Carioca - Fluminense F. C.
    1946 - Campeão Brasileiro pela Seleção do Rio de Janeiro
    1948 - Campeão do Torneio dos Campeões da América do Sul no Chile (durante esta competição, Ademir teve o seu pé direito fraturado) C. R. Vasco da Gama
    1949 - Campeão Carioca Invicto C. R. Vasco da Gama
    1949 - Artilheiro do campeonato carioca com 30 gols em 20 jogos
    1949 - Campeão Sul-Americano pela Seleção Brasileira
    1950 - Vice-Campeão Mundial pela Seleção Brasileira
    1950 - Artilheiro da IVª Copa do Mundo com 9 gols
    1950 - Campeão Carioca - C. R. Vasco da Gama
    1950 - Artilheiro do campeonato carioca com 23 gols em 20 jogos
    1950 - Campeão brasileiro pela Seleção do Rio de Janeiro
    1950 - Vencedor da Copa Rio Branco contra o Uruguai pela Seleção Brasileira
    1950 - Vencedor da Taça Oswaldo Cruz contra o Paraguai pela Seleção Brasileira
    1952 - Campeão Carioca - C. R. Vasco da Gama
    1952 - Campeão Pan-Americano no Chile pela Seleção Brasileira.

    Ademir além dos títulos foi também campeão de gols, fazendo 300 gols durante 441 jogos, durante a época do Vasco da Gama, 64 gols em 77 jogos enquanto no Fluminense F. C., 32 gols em 39 jogos quando jogador da Seleção brasileira etc...
    Ademir era um jogador versátil, que atuava em qualquer posição de ataque, sempre com destaque, além de hábil e veloz nas famosas arrancadas em direção ao gol adversário, com destaque para os chutes muito fortes com dois pés, na corrida.; Surgia então um novo termo no futebol brasileiro, que definia seu estilo de jogo: “PONTA DE LANÇA”.
    Em 1946, Gentil Cardoso, então técnico do Fluminense F. C., proferiu a frase que pode definir a grandiosidade de Ademir: DÊEM-ME ADEMIR E EU LHES DAREI O CAMPEONATO.
    O Tricolor conseguiu Ademir, pagando uma fortuna pelo seu passe e a ousadia teve êxito, sagrou-se Super-Campeão, na final contra o Botafogo F. R., com um gol de Ademir. No final de 1947 voltou ao C. R. Vasco da Gama onde deu início a uma série de memoráveis conquistas regionais, nacionais e internacionais.
    Mesmo depois de pendurar as chuteiras Ademir, não largou o futebol. Tornou-se técnico e, depois, cronista e comentarista, com atuação em diversos jornais e emissoras de rádio.
    Sempre que podia e aparecia uma chance Ademir gostava de conversar com novos valores do futebol brasileiro, aos quais, à título de conselho, lembrava sempre que um jogador por profissional que seja, não deve nunca deixar de amar a camisa que veste.

    “Especialmente uma camisa como a do Vasco, que é motivo de grande orgulho para quem tem o privilégio de vesti-la. É verdade que eu dei muito ao Vasco, tenho consciência disto. Mas o Vasco também me deu muito. Foi aqui neste Clube, que vivi os momentos mais importantes de minha vida. Daí este meu amor, esta minha torcida, este meu carinho todo. Sou um homem dominado pelo coração. E o meu coração é dominado pelo Vasco.”
    ADEMIR

    Encerro este modestíssimo trabalho sobre a história de Ademir, com dois pensamentos do botafoguense, jornalista Armando Nogueira.

    “1º Se o futebol me quisesse dar um presente, bastava que me desse um domingo inteirinho só de gols de Ademir Menezes.
    2º Se eu soubesse que um dia o futebol dele ia se acabar, eu teria pedido a Deus, que me emprestasse um par de olhos Cruz-de-Malta, só para que eu pudesse ver, à luz do amor, todos os gols que Ademir fazia contra mim.”

    Prestamos esta homenagem merecida, post mortem ao craque que tem seu nome gravado na história do futebol mundial.

Atalho para outros documentos